quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Foi bom enquanto durou


Caros amigos, esta postagem anuncia o fim das atividades regulares do blog Matemática e Sociedade. 

Há algum tempo eu já sabia que este fórum não poderia durar indefinidamente. Mas hoje ficou claro que não devo dar continuidade a novas postagens minhas. Se alguma pessoa quiser veicular texto próprio por aqui, certamente o farei com prazer. Mas eu mesmo não publicarei novos textos meus. O motivo principal se resume da seguinte forma: já escrevi o que eu queria escrever. Se eu persistir com novos textos meus, estarei apenas fazendo propaganda. E propaganda é algo que nunca me agradou. Gosto de ideias, mas não de ideologias. As ideias mais importantes já colocadas são as seguintes:

1) As universidades brasileiras não funcionam e jamais funcionarão, enquanto nosso país insistir com esta visão avessa a mérito, competitividade, colaboração, empreendedorismo e ousadia.

2) A maioria dos professores de matemática não leciona. Eles apenas falam sozinhos em sala de aula, deixando seus alunos igualmente sozinhos. Alunos entram ignorantes em sala de aula e saem inseguros sobre eles mesmos. 

3) Conteúdos de matemática são apresentados em sala de aula de forma dogmática e errada, sem qualquer cultivo ao senso crítico. Não há debates sobre matemática em sala de aula. Logo, não se estuda matemática no Brasil.

4) Alunos de cursos superiores são, em geral, indivíduos que não se interessam por ciência ou cultura em geral. Querem apenas diplomas. Buscam apenas salários, para alimentar uma cultura consumista desprovida de sonhos. E sonhar com casa na praia e carro na garagem não é sonhar.

5) Brasileiros em geral (incluindo professores) não têm a mais remota ideia do que seja educação. E não querem saber.

6) A estabilidade irrestrita concedida a professores de universidades públicas é um veneno social. Mas a ignorância desses mesmos professores não permitirá que esta realidade mude. 

7) Professores universitários em nosso país são, em geral, um péssimo exemplo social em sala de aula e no cotidiano. 

8) Brasil não é um país democrático. Não existe liberdade de expressão, uma vez que não existe liberdade de pensamento. Não existe liberdade de escolha, uma vez que são ignoradas as escolhas.

9) Domina a cultura do medo em nossa nação. Alunos não questionam professores ou autores de livros e apostilas. Professores se acomodam em suas carreiras, sejam em instituições públicas ou privadas. Governantes temem a perda de popularidade, tornando-se escravos da opinião popular. 

Agradeço a todos os colaboradores e comentaristas que enriqueceram este blog com ideias, críticas e informações. E agradeço aos leitores silenciosos que apenas acompanharam com interesse os textos aqui veiculados. Sei que fiquei devendo textos prometidos há algum tempo. Mas espero contar com a compreensão daqueles que propuseram parcerias e solicitaram discussões sobre temas específicos. Assuntos sobre matemática, educação e sociedade jamais se esgotam. Porém tento crer que já colaborei bastante por aqui, dentro dos limites impostos pela internet. 

Comentários ainda são bem-vindos e serão respondidos, enquanto este site estiver no ar. 

Um grande abraço a todos

Adonai

130 comentários:

  1. Leio bastante os seus textos, e com essa greve das universidades, consegui explorar bem mais o universo matemático, e com novo fôlego. Também tomar vergonha na cara e procurar fluência em inglês, como procurar ter um senso mais apurado de criticidade, seja em ideologias, seja na organização do nosso meio acadêmico. Suas lições são excelentes, e a leitura matemática no Brasil é tão fraquinha...
    Minha professora de cálculo I pulou a definição formal de limites, por dizer que era inútil, e que físicos não precisariam disso. Isso me deixou estarrecido, mas a alegria da sala foi perturbadora.
    Agora começo a entrar em contato com livros do Ian Stewart, e aquele que indicastes, do Jordan Ellenberg. E outros, além do usual do início da universidade. Talvez, quem sabe, mude a minha graduação para Matemática.
    Obrigado, Adonai. (Obs: Você tem em mente algum livro que dê um pontapé em alguns assuntos complexos, como tensores ou topologia. Ou livros que conduzam à geometria um pouco mais avançada, que é a área que mais gosto). Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo

      Sua professora de Cálculo I é um exemplo típico da preguiça brasileira. Esta semana assisti a uma aula de geometria analítica na UFPR. Coisa horrorosa. Professor completamente perdido, sem conseguir fazer exercícios e soltando palavrões em sala. Incapaz de se constranger com a própria incompetência. O país está desabando.

      Se você deseja se aprofundar em matemática, fortemente recomendo o livro Topology, de Klaus Janich. É uma pérola, extremamente didático. O autor parte do pressuposto de que o leitor tenha apenas noções básicas sobre conjuntos e chega a tópicos avançados, como o teorema de Tychonoff.

      Excluir
  2. Apesar de entender, creio que vai fazer muita falta...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mariia e João Alves

      Agradeço pelo apoio. De qualquer modo, manterei a página Facebook do blog em atividade, sempre divulgando notícias pertinentes sobre ciência e educação.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  3. Compreendo seus motivos.
    Mesmo assim, fico triste, pois realmente gosto dos seus textos, professor Adonai, e, especialmente, do seu modo de pensar, da sua postura intelectual.
    Este blog me abriu um mundo novo a respeito do que pode ser a matemática e desmistificou muitas coisas para mim.
    Compartilho suas preocupações com a educação superior no país e, por isso, dentre outros motivos, criei recentemente um blog sobre ensino e pesquisa em direito.
    Fiquei muito feliz de poder conhecê-lo pessoalmente e espero poder um dia poder colaborar com você em algum paper.
    Grande abraço e desejo-lhe o melhor.
    Pode contar comigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Ítalo

      É assim mesmo que a coisa funciona...

      Acabo de divulgar seu site na página Facebook de meu blog. Quanto a mim, continuarei trabalhando, mas de outras formas.

      Você e seus colegas na UFPE desenvolvem um trabalho sensacional. E estarei sempre acompanhando.

      Grande abraço

      Excluir
    2. Muito obrigado pelo apoio, professor Adonai.
      Espero poder acompanhar seus novos projetos.
      Não sei se dará continuidade aos vídeos, mas tenho baixado todos.
      Pretendo, inclusive, usá-los em aulas oportunamente.

      Excluir
  4. Uma pena, gostei imensamente do blog e já acompanho a algum tempo, principalmente as postagens sobre a aplicação da matemática em outras áreas (especialmente na minha, psicologia). Gostaria de ter visto mais algumas postagens com esse teor, trazendo indicação bibliográficas, mas infelizmente será só mais um ótimo blog que me deixará órfão.

    Psicólogo Rodrigo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Psicólogo Rodrigo

      Todos no Brasil nascemos órfãos, no que se refere a educação. Mas isso não nos impede de trabalhar com seriedade. Fortemente recomendo o acompanhamento do periódico abaixo:

      http://www.journals.elsevier.com/journal-of-mathematical-psychology/

      Excluir
    2. Obrigado professor, eu acho até que já conheci esse periódico por recomendações aqui mesmo, mas mesmo assim, o que é bom tem que ser mesmo divulgado, principalmente da aridez nacional.

      Excluir
  5. Francyelle Almeida27 de agosto de 2015 23:55

    Este blog mudou minha vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A minha também, Francyelle. Grande abraço.

      Excluir
  6. Uma ferramenta que nos ajudava desenvolver o senso crítico e nos posicionar em relação ao conhecimento ofertado no Brasil (independente da maneira com que o mesmo é feito), mas as causas para parar o progresso do projeto são válidas. Parabéns, Professor Adonai, o senhor auxiliou e continua auxiliando muitas pessoas nos seus caminhos rumo a ciência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço pelas gentis palavras, Mateus. Tive a sorte de conhecê-lo pessoalmente. Espero poder acompanhar a sua carreira que apenas começa.

      Excluir
  7. Lamento! É isso... o Brasil perde mais um blog científico de excelente qualidade. Merece sim, porque o brasileiro vive em autofagia - tudo que é bom ou que ameaça ser bom tem de ser destruído.

    Augusto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Augusto

      O blog não foi destruído. Os textos continuam por aqui. Apenas não escreverei mais nele. Mas a página Facebook do blog continua divulgando matérias veiculadas em outras mídias. Acabo de divulgar o nascimento de um novo blog criado por um colaborador daqui mesmo. Sementes são plantadas todos os dias.

      Excluir
    2. Síndrome de Estocolmo? Bem, não disse que foi destruído, apenas que o Brasil perde um excelente Blog científico, afinal, suas energias não alimentam mais o "Matemática e Sociedade". Quis dizer que a mentalidade brasileira não é propriamente o melhor solo para sementes tão bem qualificadas.

      Abraços,

      Augusto

      Excluir
  8. Pelo menos mantenha o blog no ar, há muito conteúdo útil nele...

    ResponderExcluir
  9. Pelo menos mantenha o blog no ar, há muito conteúdo útil nele...

    ResponderExcluir
  10. Marcelo Marchiolli28 de agosto de 2015 12:26

    Antes de mais nada, obrigado por tudo. Obrigado por disponibilizar seu tempo e suas idéias sobre educação e sociedade, discussão essa de altíssima qualidade naquilo que se propõe. Obrigado pela sua paciência para com os comentários de seus leitores. Obrigado por disponibilizar seu conhecimento num momento de penúria completa a que nos auto-submetemos. Obrigado por representar uma luz em temas onde cegos reinam. Assim, termino meus comentários dizendo aquilo que estás ao meu alcance: muito obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato pelo apoio, Marcelo. Estes últimos seis anos foram realmente fascinantes.

      Excluir
  11. Vai fazer falta mesmo, como muitos disseram. Acho que mesmo que você tenha escrito tudo o que queria escrever, e entendo a parte da propaganda que vc quer evitar, acho que a repetição e insistência de algumas ideias, escritas com outras palavras, seria fundamental para atingir muitas pessoas que por diferentes motivos não absorvem o que está sendo dito logo na primeira tentativa. Por isso acho que você não deveria deixar de escrever, professor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desmond

      Recentemente comecei a trabalhar em um livro. Certamente continuarei escrevendo. Mas não farei isso neste blog. Se eu seguisse sua recomendação, creio que estaria desrespeitando os leitores antigos. E eu jamais poderia fazer algo assim.

      Excluir
    2. É lamentavel eu não ter conseguido encontrar seu livro "O que é um axioma" para comprar,nem mesmo em sebos,acho que deve ser porque bons livros não demoram a ser vendidos e quem os têm não os vendem.Quanto a esse livro no qual o senhor está trabalhando serei um dos primeiros a compra-lo e algo me diz que ele será "o que é um teorema".Mas voltando ao assunto,o que o senhor pode fazer para voltarem a imprimir o livro "o que é um axioma" e "o que é uma definição" e tambem o que pode fazer em relação ao livro "o que é um conjunto"?

      Excluir
  12. Prof. Adonai, esta é a primeira vez desde que acompanho seu blog que li algo que discordo, sim eu li seu motivo, nem me cabe questionar; mas prof. fará muita falta ler, divulgar e conhecer suas opiniões, e claro, infelizmente (para nós brasileiros), mais uma vez o senhor está certo em cada uma das idéias que ressaltou.....pobre do nosso pais, ao ver que pessoas de seu porte estão se esgotando de cansaço dessa luta titânica que é tentar salvar a educação brasileira. Me desculpe contraria-lo, mas penso que dificilmente seria repetitivo, e se. É uma penao senhor parar de postar neste blog.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorival

      Muitas das postagens deste blog foram adaptações de capítulos de um livro que não consegui publicar. Falo brevemente sobre isso no link abaixo.

      http://adonaisantanna.blogspot.com.br/2012/09/imposturas-intelectuais.html

      E o blog foi uma maneira de aprender com aqueles que honestamente se comprometem com educação. Daí a importância dos comentários feitos por leitores. Em virtude disso pretendo sim escrever e publicar. Apenas não o farei mais neste blog.

      Excluir
    2. E que livro é esse que o senhor fala que não publicou?
      O senhor pode disponibilizar esse livro para download?

      Excluir
  13. Boa noite Professor.
    Sugiro e certamente o fará postagens e participações em blogs/sites similares e afins.Lamento a interrupção,mas como está na entropia da vida..A vida segue..abraços
    mario sergio UFPR/1.975

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mario Sergio

      Sua sugestão é interessante. Pensarei a respeito.

      Excluir
  14. Professor,

    acompanho quietinha suas postagens há algum tempo. Cheguei aqui por recomendação de alunos (acertaram no palpite de que iria me identificar com muitos temas abordados), é genial a maneira como nos incita a questionar coisas que antes poderíamos acreditar ser imutáveis.

    Claro que comecei a recomendar a leitura do blog para todos meus alunos e como continuará no ar, continuarei recomendando. Espero que o canal no vimeo continue, está excelente.

    Obrigada pela dedicação e por nos mostrar que nossa inconformidade não está tão errada assim.

    Camila

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Camila

      Grato pelo suporte. Com relação ao canal Vimeo, ainda pretendo publicar mais um vídeo. Isso deve acontecer dentro de um mês, se tudo der certo.

      Excluir
  15. Obrigado, professor Adonai.


    Leandro Almeida.

    ResponderExcluir
  16. É uma grande perda e o sentimento de que algo muito precioso me foi tirado já começa a me incomodar.Aprendir mais coisas nesse blog do que em alguns livros que se dizem conceituados.

    ResponderExcluir
  17. Penso que há muito ainda o que escrever neste espaço, Prof. Adonai. Entendo sua fadiga, mas creio que, em vez de cessar de vez com as postagens neste blog, o senhor deva "maturar" algumas ideias e ir escrevendo novos posts em períodos mais espaçados de tempo. Por que faço este apelo? O Brasil passa por momento de grave desesperança, muitos jovens que leem (ou que poderão vir a ler) este blog carecem de bons exemplos de pensadores atuantes em quem se inspirar — sendo o amigo uma "avis rara" em terras tupiniquins. Logo, seria um desperdício de talento abandonar este pequeno mas precioso blog. Posto isso, rogo-lhe para que resista e mantenha (ainda que com menor produção) este raro "quilombo intelectual" (tão necessário àqueles que, como eu, buscam uma fuga momentânea da degradante realidade do cotidiano brasileiro). Por favor, não nos abandone...

    Chico

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chico

      Entendo a sua preocupação, mas ao mesmo tempo me preocupa a sugestão de que eu esteja abandonando alguém. O blog continua no ar enquanto os serviços do Blogger permitirem. Por isso peço que encare o coletivo das postagens como um livro sempre a disposição. É um livro escrito por mim, por colaboradores e por comentaristas. E livros são mais interessantes do que blogs que tentam promover ideologias.

      Excluir
  18. Prof. Adonai: Essa decisão deveria ser revista. Este blog é depositário de informações,ideias e conhecimentos que precisam ser difundidos. E não acho que escrever mais "do mesmo" seria propaganda. Espero que mude de ideia. Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Alan

      Lamento, mas discordo do que você diz. Sou fortemente influenciado pela entrevista abaixo:

      http://adonaisantanna.blogspot.com.br/2015/06/beleza.html

      Não desisti de trabalhar com educação. Apenas preciso seguir um caminho diferente. Todos nós precisamos nos renovar. É assim que educação se promove. E certamente você sabe disso.

      Excluir
  19. Por favor, não tire o site do ar. Eu preciso muito estudar o conteúdo dos seus textos. Acredito que outras pessoas também precisem, então, por favor, deixe esses textos no ar para que os brasileiros que não tem como fugir daqui possam estudar com qualidade em algum lugar, mesmo que este lugar seja a internet.
    Muito obrigado pelos textos. Eles me ajudam muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo

      Para manter este blog no ar dependo apenas dos serviços prestados pelo Blogger. No que depender de mim, as postagens daqui permanecerão indefinidamente. Grato pelo suporte.

      Excluir
  20. Fiquei triste com a notícia, pois suas postagens me ajudam muito.

    Obrigado pela dedicação e por todo conhecimento transmitido.

    ResponderExcluir
  21. Adonai,

    Que tal selecionar alguns dos textos e publicá-los em livro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Abdias

      Estou em fase de planejamento de um livro cujo título preliminar é "Por que estudar matemática?"

      Excluir
  22. Vi muita reclamação e crítica mas quase nenhuma sugestão prática de melhoria! Esperava que começasse a ter daqui por diante. mas pelo jeito....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo

      Nos marcadores "Aplicações da Matemática", "Crianças", "História", "Filosofia", "Livros", "Matemática Pura" e "Propostas de Pesquisa" você pode encontrar um bom número de postagens de divulgação científica, recomendações de leituras e sugestões de projetos científicos. O que ocorre é que postagens de caráter construtivo são muito menos populares do que aquelas que promovem críticas. Mas elas estão neste blog sim. Basta navegar, ler e refletir.

      Excluir
  23. Passo aqui para deixar o meu profundo sentimento, como assim o faço diante de todos os infortúnios do nosso Brasil.

    Não concordo com sua atitude, mas quem sou eu, reles leitora inculta a respeito da matemática, menos ainda da educação.

    Só posso lamentar. Afinal, lutar é um fardo pesado e nem todos estão preparados para ir até o fim.

    Meus sentimentos, Adonai!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônima

      Insisto com uma resposta que já dei anteriormente. Procure encarar este blog como um livro. Livros têm começo e fim. Neste momento começo a trabalhar na produção de novo livro. Lutar não é fardo para mim. É algo inevitável.

      Excluir
  24. Professor, houve resposta do sr. para o vídeo do Dr. Raphael de Paola?
    Achei excelente a exposição dele:

    https://www.youtube.com/watch?v=irFy0YD_tGE

    Obrigado por todo o conteúdo postado aqui.
    Vida segue.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo

      Respondi via e-mail. Reproduzi parte de minha resposta na forma de comentário. Veja meu comentário de 7 de março de 2015 (postado às 21:25h) no link abaixo:

      http://adonaisantanna.blogspot.com.br/2015/03/a-diferenca-entre-fisica-e-filosofia-da.html

      Excluir
    2. Muito obrigado. Eu, apenas um ignorante nesses assuntos, adorei esse breve debate. É disso que o Brasil precisa. É uma pena que foi tão curto esse episódio, poderia ter sido um debate rígido e ter virado livro a exemplo do debate do próprio Carvalho com o Dugin.

      No final do texto o sr. diz: Bertrand Russell jamais morreria pelas suas crenças. Eu faço uma objeção, Sócrates morreu por elas.

      Enfim, obrigado por todo o conteúdo postado. Vou continuar a visitar o blog, tem um conteúdo imprescindível aqui.

      Excluir
    3. Anônimo

      Não há chances de qualquer debate remotamente interessante com Carvalho ou seus seguidores, pelo menos no que se refere a filosofia da física. Eles não têm sintonia com a área.

      Grato pelo apoio ao blog.

      Excluir
  25. Respostas
    1. Pra você não irá fazer falta, essa deveria ser sua afirmação,mas para mim e para muitos outros irá fazer muita falta.

      Excluir
    2. Para O Apedeuta, também não.

      Excluir
  26. Vai fazer falta. Eu muitas vezes não concordo com o que você escreveu, mas sempre apreciei a leitura. Boa sorte nos próximos projetos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Rafael

      Aproveito para agradecer novamente pelas suas contribuições neste fórum.

      Excluir
  27. Puxa! Eu conheci o blog hj...q pena, fiquei encantado com a objetividade e o compromisso ofertado a todos..
    De qq forma, fica já o meu forte sentimento de agradecimento pelo tempo dedicado aos leitores!
    Gentilmente,
    Alexandrino Saraiva

    ResponderExcluir
  28. Prof Adonai

    Fiquei profundamente triste com esta notícia, que volto depois de um tempo em silêncio para dizer algumas palavras.

    Agradeço profundamente seus ensinamentos e sua grande sabedoria. De fato o sr é um cântaro de água no deserto da ignorância que povoa este país. Graças a você pude ver a matemática e sobretudo os livros de matemática sob um olhar diferente e agora leio tudo e considero cada situação com bastante prudência.

    Em algum post o sr fala de discipulado. Permita-me considerar-me seu discípulo no que se refere a postura diante da educação e da matemática, mesmo tendo conhecimento infinitamente menores que os seus.

    Espero que reconsidere e volte a publicar esporadicamente, como colega acima disse

    Forte abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hugo

      Agradeço pelo valioso apoio. Você foi um dos comentaristas mais incisivos deste blog. Aprendi muito com as suas críticas e sugestões. Por conta da interação entre os envolvidos no blog começo a escrever um livro inspirado nesta troca de ideias. Ninguém nesta terra trabalha seriamente de forma isolada. E o blog M&S foi uma ótima oportunidade para encontrar alguns dos membros desta tribo desarticulada, formada por aqueles que amam o conhecimento. É bom saber que estes últimos seis anos foram razoavelmente produtivos. Poderia ter sido melhor. Mas algo bacana foi formado.

      Grande abraço

      Excluir
  29. Não tenho certeza se este blog, especificamente poderia ser um meio para a divulgação de novas discussões e reflexões, que como você mesmo disse Adonai, continuam a surgir. Nada impede que elas reflitam de alguma forma nas publicações deste blog, acho que ele poderia continuar a veicular as discussões contemporâneas no ensino de matemática embora possa não ser o meio ideal para levantar ou divulgar tais discussões.Acho que ainda é uma das formas de tratar a educação em matemática e que poderia estar vinculada à outras formas para ampliar o alcance de boas ideias para a matemática, a comunidade matemática em geral.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Matheus

      O compromisso com ciência e cultura jamais morre entre aqueles que o sentem desde cedo. O que pode mudar é a forma como este compromisso se manifesta. Assim como você, os demais leitores e eu mesmo continuamos a trabalhar. Mas, no meu caso específico, preciso trabalhar de outra forma. Estou priorizando um novo projeto que demanda muito tempo e concentração.

      Excluir
  30. Prof. Adonai,

    Acompanho seu blog há um tempo, e entendo seus motivos. De qualquer forma, é uma pena ouvir essa notícia de uma pessoa que tem se esforçado tanto para trazer algo de melhor para o meio acadêmico e para a população de forma geral.

    Aproveitando a situação, lembro de um post seu no qual você sugere que todo físico deveria conhecer, entre outros temas, a teoria de grupos - tema que eu vejo que passa longe de ser abordado nos cursos de física no Brasil, ao menos a nível de graduação. Sendo eu um aluno do 2o período de física da UFPE, gostaria de saber se você teria alguma indicação de livro que eu poderia buscar para me instruir mais sobre esse assunto.
    Desde então, muito obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bruno

      Um livro que me impressionou muito sobre teoria de grupos aplicada à física é o de Sternberg. O autor talvez não seja muito didático, deixando muitas contas sob responsabilidade do leitor. Mas é o texto mais abrangente que já vi sobre o tema. Veja o link abaixo.

      http://www.amazon.com/Group-Theory-Physics-S-Sternberg/dp/0521558859

      Excluir
  31. Caro Prof. Adonai,

    Acho que o Professor deveria repensar sobre a decisão de não fazer mais postagens neste precioso blogue. Eu ficaria muito feliz.

    Um grande abraço do Paulo Argolo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Paulo

      O fim do blog M&S era algo que eu sabia inevitável há alguns anos. Peço que encare as postagens como capítulos de um livro. E todo livro tem começo e fim. No entanto, estou iniciando novo projeto em parceria com uma pessoa que está abrindo novos horizontes. Continuo trabalhando, Paulo. Apenas trabalho de forma diferente. Renovação é algo necessário para todos.

      Excluir
  32. Cabe aqui um pouco de egoísmo de nossa parte. Não aceitamos ou não sabemos ao certo como aceitar a descontinuidade das coisas, talvez por medo do que pode vir ou não vir depois. Tenho acompanhado este blog a um bom tempo, e como quase todos aqui sempre na espreita de algum novo texto. Não lembro bem a maneira que o descobri, mas vou guardar estes bons textos. Não é um adeus, mas um até logo pra todos! Professor, agradeço pelas suas ideias.

    ResponderExcluir
  33. Prezado Professor Adonai,

    É com muito pesar que soube do fim de suas postagens no blog Matemática e Sociedade. Sou muito grato pelo privilégio de ler seus textos e, principalmente, pelo efeito que eles causaram em mim. Embora trabalhe em área não diretamente relacionada à matemática, retomei, por conta própria e com muito entusiasmo (e com pouco tempo disponível...), meus estudos na rainha das ciências. Alegro-me por isso! Sempre amei a matemática, mas esse amor havia esfriado... Hoje, está novamente aquecido!

    Fiquei feliz em saber que novos projetos estão por vir. Embora não saiba do que se trata, arrisco-me a dizer que serás muito feliz e bem-sucedido. Torço muito por você!

    Aproveito a oportunidade para solicitar a indicação de bons livros acerca da construção dos números reais (e complexos). Pretendo aprender bem esse assunto antes de iniciar meus estudos em análise real.

    Um forte abraço! Tudo de bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alexandre

      Agradeço pelo importante apoio.

      Com relação a livro que trate da construção de números reais, recomendo o texto abaixo:

      http://www.amazon.com/Real-Analysis-Dover-Books-Mathematics/dp/0486665097

      Números complexos podem ser construídos a partir de reais, conforme o texto abaixo:

      http://experienciasnamatematica.blogspot.com.br/2010/06/por-que-i-1.html

      Excluir
  34. Poderia mudar o teor das postagens.
    Por que não fala das suas experiências com cinema?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo

      Minha pouca experiência com cinema e televisão não foi muito produtiva. Vendi um roteiro para longa-metragem que não virou filme (ainda). Em parceria com meu filho, escrevi um roteiro para curta-metragem que virou produção televisiva. No entanto, o diretor mudou o roteiro sem nos avisar e arruinou o resultado final. Neste momento não tenho muito entusiasmo com produções áudio-visuais. E não creio que isso seja relevante o bastante para justificar a continuidade do blog.

      Este blog já cumpriu com a proposta principal. As ideias mais relevantes que eu poderia colocar publicamente já coloquei. Agora é necessário investir em outro projeto.

      Excluir
  35. Oi Adonai. Fiquei chateado por teres deixado o Blog, mas creio que tenhas projetos melhores. Sempre temos de tomar decisões, às vezes difíceis mas necessárias.
    Escrevo para recomendar, talvez já conheças, mas pode te interessar. Em Cérebro Digital existe um fórum muito interessante. Busque “foros.cerebrodigital.org”.
    Eu achei muito interessante a Ideia, embora não tenha gostado nem um pouco da parte gráfica. Para mim ficou muito poluída e com cores não agradáveis. Penso que se a questão é trocar ideias, este deve ser o aspecto principal. Texto limpo e com letras grandes para facilitar leitura e editor simples, sem frescuras.
    De qualquer forma pode ser um espaço de muito crescimento intelectual, se as pessoas o usarem de forma adequada.
    Abraço e muita sorte na nova empreitada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato pela dica, João Luiz. Mas neste momento estou evitando aglomerados de pessoas, mesmo que sejam virtuais.

      Excluir
  36. Professor Adonai,
    A leitura do blog por você mantido sempre foi um grande alento para mim.
    Muito obrigado por sua grande contribuição!
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelo

      Fico feliz com isso. Grato pelo apoio.

      Excluir
  37. Professor, realmente não sei as razões que estão te levando a abdicar de continuar com as postagens, creio que deva ser muito particular e não há outra opção que não seja aceitar e respeitar.
    Escrevi muito pouco nesse blog, fiz apenas alguns poucos comentários sobre livros de álgebra linear, diga-se de passagem, com bastante atraso temporal. Quando comecei a ler suas postagens, confesso, achava bem conservadoras e, muitas vezes, meu grau de discordância era quase completo. Mesmo assim, permitir-me ler suas publicações e me permitir indagá-las criticamente, sem rejeição ou aceitação a priori. Com o tempo, apesar de pontuar algumas discordâncias, passei a concordar com muito de suas críticas e refazer algumas leituras e ideias que eu tinha sobre concepção de universidade, de matemática e até mesmo de Física, que é minha área de trabalho.
    Hoje tento fazer um bom trabalho de doutorado, mas no lugar onde estou realizando o doutorado é praticamente impossível pautar conseguir ultrapassar os limites da mediocridade das nossas instituições. Não existe uma preocupação efetiva nem dos professores nem dos estudantes na busca de uma formação séria e sólida, claro que não falo por todos (senão estaria incluído nisso), mas pelo menos essa é minha sensação. Acho que esse problema não se reduz ao lugar onde estou, mas deva ser realidade em muitas universidades brasileiras.
    Hoje, aos meus trinta anos, acho que a universidade me limitou mais do que me ajudou a projetar maiores alcances intelectuais. Sinto-me despreparado para fazer uma física de qualidade e, o pior, não temos um Estado e Sociedade que te façam querer tirar esse atraso e tentar um dia, talvez, fazer uma ciência séria e comprometida.

    Muito obrigado pelos seus ensinamentos. Sempre tive muita vontade de seguir minha carreira como matemático, mas um ano desastroso no IMPA me frustou em definitivo para matemática. Um forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antonio

      Entendo sua visão. E despertou bastante atenção seu comentário sobre o IMPA. Esta instituição produz ciência de bom nível, sem dúvida. No entanto, segue um estilo que nem sempre é construtivo. Conheci muita gente com excelente potencial que se frustrou profundamente com o IMPA.

      Excluir
    2. Caro Antonio,

      quando fiz meu doutorado em física acreditava em pesquisa e universidades sérias como premissas básicas para o desenvolvimento intelectual pleno. Ledo engano, puro devaneio, pois fazer um doutorado nesse país é nada mais do que convicção em aprender a fazer pesquisa (séria ou faz-de-conta) sem lastro ou perpectiva algum. Na verdade a sociedade brasileiro não sabe (e não quer saber) sobre as implicações de um indivíduo portador do título de doutor, tamanha a irrelevância do título neste contexto. Portanto, faça seu doutorado pra ti mesmo, sem expectativa alguma a não ser aquelas que estejam associadas ao crescimento pessoal. Com relação ao término das postagens do Adonai, também compartilho o pesar da decisão dele, mas respeito-o e muito.

      Abraços.

      Excluir
  38. Concordo com tudo que disse, mas concordo dobrado com o número 4, trágico... rs

    ResponderExcluir
  39. Prezado professor,
    Resulta difícil entender dentro da sua perspectiva a existência de um instituto que nem o IMPA e de um prémio Fields Arthur Ávila, dentro das fronteiras deste país. Também de um lógico matemático como o professor Newton da Costa, um dos fundadores da lógica para consistente e um dos pesquisadores mais citado e traduzido no tema, com mais de 30 mil citações. O senhor deve conhecer, já que é oriundo do Paraná.
    Em um pais com as dimensões do Brasil, com universidades relativamente novas e pesquisa mais jovem ainda é de se esperar diferenças entre os diversos estados e regiões. Mesmo nos USA existem diferenças grandíssimas entre as universidades de ponta (Stanford, MIT, Univ. da California, etc) com vários prêmio Nobel nos seus quadros, e outras muito menos desenvolidas, cujos nomes permito-me não citar.
    A construção do conhecimento é uma coisa séria e sofrida que não se cria em umas poucas décadas mas que pode ser destruida em pouquíssimo tempo se não tivermos cuidado. Em quanto aos professores pouco preparados é uma realidade insofismável, a questão é se nos concursos os melhores candidatos ficaram de fora *sistematicamente* ou se foram escolhidos os melhores que na ocasião se apresentaram. Se os concursos foram sérios, temos de ter paciência, porque estas pessoas vão evoluir no seu preparo.
    Atte,
    Horacio Dottori
    Prof. Aposentado
    Dpto de Astronomia, IF-UFRGS
    Pesquisador Senior do CNPq

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Professor Horacio

      Fui orientado de Newton da Costa. Conheço bem a obra dele. Ilhas de saber existem em nosso país, pelos exemplos citados em seu comentário e muitos outros. Basta ver a página Grandes Nomes da Ciência Brasileira. No entanto, não vejo massa crítica de cultivo ao conhecimento científico em nossas terras. A própria estrutura das universidades federais é um reflexo desta falta de tradição na produção de conhecimento. Veja, por exemplo, o artigo abaixo:

      http://adonaisantanna.blogspot.com.br/2013/01/universidades-federais-finalmente.html

      Estados Unidos contam sim com enorme diversidade cultural e científica. No entanto, aquele país conta também com um espírito inovador refletido por uma massa crítica suficientemente articulada para garantir liderança mundial em produção científica e tecnológica. Esses temas foram bastante discutidos neste blog.

      Com relação a concursos públicos nas universidades brasileiras, não há a possibilidade de serem sérios. Ver

      http://adonaisantanna.blogspot.com.br/2012/03/vergonha-das-bancas-de-pos-graduacao-e.html

      Grato pela participação neste fórum.

      Excluir
  40. Prezado professor,
    Resulta difícil entender dentro da sua perspectiva a existência de um instituto que nem o IMPA e de um prémio Fields Arthur Ávila, dentro das fronteiras deste país. Também de um lógico matemático como o professor Newton da Costa, um dos fundadores da lógica para consistente e um dos pesquisadores mais citado e traduzido no tema, com mais de 30 mil citações. O senhor deve conhecer, já que é oriundo do Paraná.
    Em um pais com as dimensões do Brasil, com universidades relativamente novas e pesquisa mais jovem ainda é de se esperar diferenças entre os diversos estados e regiões. Mesmo nos USA existem diferenças grandíssimas entre as universidades de ponta (Stanford, MIT, Univ. da California, etc) com vários prêmio Nobel nos seus quadros, e outras muito menos desenvolidas, cujos nomes permito-me não citar.
    A construção do conhecimento é uma coisa séria e sofrida que não se cria em umas poucas décadas mas que pode ser destruida em pouquíssimo tempo se não tivermos cuidado. Em quanto aos professores pouco preparados é uma realidade insofismável, a questão é se nos concursos os melhores candidatos ficaram de fora *sistematicamente* ou se foram escolhidos os melhores que na ocasião se apresentaram. Se os concursos foram sérios, temos de ter paciência, porque estas pessoas vão evoluir no seu preparo.
    Atte,
    Horacio Dottori
    Prof. Aposentado
    Dpto de Astronomia, IF-UFRGS
    Pesquisador Senior do CNPq

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Professor Horácio...

      Saudações. Estou impressionado com sua frase inicial sobre IMPA e Artur Avila. Instituições como IMPA representam uma ilha de excelência que foge completamente de nossas restantes instituições federais (como um todo), ou seja, a perspectiva da pesquisa traçada por lá apresenta um enfoque em pesquisa de ponta com reconhecimento mundial na area. Tal fato não é padrão para as demais e nunca sera tendo em vista a postura e competência dos docentes (desculpe-me, mas há excessões sim, raríssimas, mas existem). Artur Ávila é cria dele mesmo e de sua postura no IMPA, isto é, ter ao seu lado pesquisadores renomados e ter ímpeto e competência para usufruir de tudo isso é para poucos. Além disso, a experiência dele na França foi crucial, segundo as palavras dele, pelo prêmio Fields.
      Com relação aos professores pouco preparados, esses são reflexos das instituições e programas de pós-graduação que os formaram. Cobrar embasamento dos candidatos nos concursos é importante desde que todos da banca façam a seguinte reflexão saudável: Será que eu, como orientador, estou realmente formando meus alunos como se deve, ou seja, sera que eu estou embasando-o em conteúdo de forma a torná-lo um pesquisador autônomo? A resposta deve ser interessante.......
      Enfim, os professores enclausurados nas ilhas chamadas universidades deveriam responder seriamente a população que pagam seus salários de forma séria. Será que esses mesmos professores estão realmente formando seus alunos? Será que as universidades estão formando profissionais adequados e competentes?

      Excluir
    2. Prezado Marcelo Marchiolli, obrigado pelos conselhos. É justamente isso que estou tentando fazer. Tentando tirar, até onde der, o máximo de proveito pessoal no doutorado. É difícil, mas não é impossível. Um bom professor (seria ideal que tivéssemos não apenas um, mas uns tantos) acelera e muito o processo de aprendizado e nos ajuda a nos lançarmos no mundo de produção científica séria com menos lentidão.

      Apesar disso, não nego, minha vontade de continuar na área de Física vem se reduzindo a cada dia. Felizmente tenho outras paixões (direito é uma delas) e pretendo terminar o doutorado e largar de vez a carreira de Físico, mesmo antes de tê-la começado. Não vejo perspectiva, a longo prazo, da Sociedade pautar uma perspectiva de construção séria acerca de pesquisa básica e aplicada. No entanto, torço para que eu esteja completamente errado.

      Um forte abraço,

      Antonio

      Excluir
    3. Prezado Antonio, fico contente pela sua resposta. Com relação a sua perspectiva de investir em outra paixão, como Direito, não sou eu quem dirá nada em contrário mesmo porque estou eu terminando, apos ter completado meu doutorado em física há um bom tempo, um curso de engenharia. Sim, retornei como aluno em sala de aula para cumprir essa etapa em minha vida e confesso que a experiência está sendo incrível em todos os sentidos. Estou eu na perspectiva de avaliar rapidamente meus professores e colegas de classe e confesso que fico sem muitas esperanças em ambos os lados. Professores ruins somados com alunos apáticos e que estão fazendo um curso errado coloca os textos postados por Adonai como sendo realistas demais, o que me choca muitas vezes. Mas enfim, isso é Brasil!
      Já a pós-graduação em Fisica por aqui sempre tive a sensação de que estava em outro país, tamanha a frustração dos docentes, ou seja, eles nunca conseguiram se desvencilhar das experiências deles no exterior. O interessante é que em geral fica a sensação de que não ocorreu uma real experiência que possa (ou deveria) ser trazida e adaptada para a realidade de nossos alunos e instituições. Além de outros intermináveis problemas já comentados por aqui.
      Enfim, vejo a perspectiva em Física neste país como aquela mesma perspectiva da Física ensinada no ensino médio: vazia, sem discussões de qualidade, sem o real ensino desta bela disciplina, o devaneio pelo devaneio. Há excessões, é claro, mas a grosso modo.....

      Abraços,

      Marcelo Marchiolli

      Excluir
  41. Pois é, Marcelo Marchiolli. Concordo com o que você escreveu. Felizmente, ainda há exceção, apesar de raríssimas. Ainda torço para que essa realidade brasileira mude. Enquanto isso, vamos em frente.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  42. "7) Professores universitários em nosso país são, em geral, um péssimo exemplo social em sala de aula e no cotidiano. "
    É mais fácil seguir um exemplo do que aprender com ele.

    Sebastião

    ResponderExcluir
  43. Adonai, ou qualquer outro disposto a ajudar,

    Completei a maior idade recentemente e me encontro numa situação complicada porque não vejo na universidade uma chance de crescer como pessoa e de ter um salário proporcional a meu esforço no trabalho, mesmo que ganhe 5k em uma empresa privada o que será exigido de mim como pessoa em troca desse valor não é proporcional, e a área técnica me dá um salário com um custoxbenefício melhor mas ainda é "baixo" e sem tanta pressão mas não é um trabalho que me permite crescer intelectualmente mas que me dá tempo para estudar por fora.
    Gostaria de requisitar a experiência de vcs, para que ao menos me dêem uma luz do caminho que eu deveria seguir.

    Desculpe se fui confuso, obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo

      Minha recomendação é sempre a mesma: fazer aquilo que desperta paixão!

      Não há como prever a médio ou longo prazo os resultados de uma vida honesta, dedicando-se àquilo que genuinamente se ama. Mas é muito fácil antecipar o resultado de uma vida que pondera prioritariamente sobre esforço empreendido versus salário recebido (como uma cobaia de laboratório que avalia se vale a pena receber choques elétricos em troca de comida): trata-se de alguém que não deixará marca alguma nesta terra.

      Não o conheço pessoalmente. Mas a questão que me parece importante é uma só: o que você realmente quer?

      Excluir
  44. É uma pena que seu blog tenha sido descontinuado. Ele fará companhia no céu dos blogs críticos à Universidade como o atalho acadêmico, o não foi plágio, o Science Fraud, o nossa universidade e parece que também o ciência Brasil, o qual está paralisado há dois meses.
    Fico com saudades do tempo dos militares, quando a censura e a opressão eram declaradas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo

      O blog descontinuou. Mas eu ainda não desisti. Só sigo um caminho diferente. Estou trabalhando em um projeto áudio-visual. Deve ser concluído ainda este ano.

      Excluir
  45. Caro Professor Adonai,já no ensino fundamental temos conto com os temas:Razões,Propoções,números diretos e inversamente proporcionais,grandezas diretas e inversamente proporcionais regra de três etc.Pergunto-lhe:
    O QUE É UMA GRANDEZA?
    O QUE SÃO NÚMEROS DIRETOS E INVERSAMENTE PROPORCIONAIS?
    E O QUE SÃO (COMO DEFINI-LAS RIGOROSAMENTE?) RAZÕES,PROPORÇÕES,GRANDEZAS DIRETAS OU INVERSAMENTE PROPORCIONAIS E REGRA DE TRÊS?
    Pois a forma com que são tratados esses temas,da a impressão de que esses temas são "experimentais" e pouco precisos.
    Obrigado Professor por sempre tirar minhas dúvidas.Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo

      Usualmente se associa grandeza como aquilo que pode ser medido, no sentido físico de "medição". No entanto, não há consenso sobre o conceito de medição. Para detalhes, ver

      http://plato.stanford.edu/entries/measurement-science/

      Conceitos como proporção direta ou proporção inversa somente podem ser qualificados em contextos específicos. Por exemplo, se x e y são números reais quaisquer, dizemos x e y são diretamente (inversamente) proporcionais se houver constante real k tal que x = ky (x = k/y). Algo análogo ocorre para os demais conceitos que você menciona.

      É nas aplicações que as pessoas normalmente fazem confusões. Não podemos confundir conceitos matemáticos com suas alegadas aplicações no mundo real.

      Excluir
  46. É uma pena professor, mas teus motivos são mais do que justos. Espero que o blog continue no ar por mais um bom tempo, pois há bastante conteúdo para ser lido.

    Obrigado e bom trabalho por este blog.

    ResponderExcluir
  47. É incrível como agora, no final do meu mestrado em filosofia numa universidade federal, as postagens de seu blog fazem mais sentido ainda. Eu sempre fui uma pessoa entusiasmada com a cultura, o estudo e às ciências, razão que me fez, por amor ao saber, cursar filosofia. Eu era extremamente entusiasmado e mesmo o ambiente terrível da graduação não conseguiu tirar meu entusiasmo. Todavia, se a graduação não o fez, o mestrado e sua pretensão de "pesquisa séria" conseguiu. Quando entrei na graduação eu queria ser um Frege, um Kant, um Leibniz, um Russell, um Wittgenstein, um Karl Popper, um Carnap, um Tomás de Aquino, um Ockham e, por que não, o maior deles, um Aristóteles? Lembro-me da minha infância quando vi a foto de Aristóteles e sua descrição em um Atlas que minha mãe, analfabeta, comprava parcelando em várias vezes de um vendedor de livros de porta em porta: "Aristóteles, talvez a maior mente da antiguidade, fez pesquisas em biologia, em física, em matemática, em lógica e em filosofia. Muitos dos conceitos que desenvolveu foram importantes para o nascimento ou o desenvolvimento de tais ciências." No entanto, o mestrado afundou em um poço de lama meu amor pela lógica, pela história da lógica e pelo estudo da filosofia; afundou em uma poça a pretensão de fazer pesquisa séria. O que eu vi no mestrado foi a mera repetição sem ousadia, toda ousadia tinha que ser cortada na raiz, pois, do contrário, a dissertação poderia não ficar boa. Então o melhor a fazer era comentários, repetir um comentador ou outro e nunca dar conclusões próprias. Excetuando as humilhações recebidas do orientador. Eu sinceramente não quero mais fazer um doutorado. Já decidi, vou fazer como a maioria da massa de jovens brasileiros: vou me dedicar à concursos, passar em algum bom e "tentar" ser feliz levando uma vida medíocre, sem sonhos e sem ambições intelectuais maiores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo

      Por mais que tente, seu amor pelo conhecimento jamais morrerá. Se uma mãe analfabeta conseguiu criar um jovem intelectual, este mesmo jovem certamente deve garantir o futuro de gerações cada vez melhores. É inevitável.

      Excluir
  48. Um adendo: o que eu descobri no mestrado é que os professores estão preocupados, em sua maioria, em ter uma vida boa. Viagens, dinheiro, férias... Não há ousadia, pensamentos próprios, reinando uma burocracia kafkiana.

    ResponderExcluir
  49. Conheci este blog quando ele ainda estava em seu inicio, após anos sem acessa-lo voltei e percebi que ainda não desistiu de mudar a educação do
    Brasil. Então como amigo venho aqui pedir que pare, pois é bobagem. A vida é passageira devemos nos divertir ir a festas fazer aquele churrasquinho com os amigos. Vivemos em um pequeno planeta que em breve não estará aqui mais, todos serão esquecidos até mesmo Newton e Einstein. Portanto mérito e competitividade são bobagens e esta última chega a ser cruel. Empreendedorismo é modinha e ousadia desnecessária porque quase tudo sobre o universo já foi descoberto, agora que acharam as ondas gravitacionais, só falta a matéria escura e a Física estará acabada tudo o que restará são aplicações para engenheiros. As área da matemática que tem aplicações como combinatória e teoria dos números já foram finalizadas, todo o resto é abstrato de mais. Ide para as ciências naturais. Aproveite a curta vida. Carpe diem!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E assim nasce o novo Lord Kelvin...

      Excluir
    2. Sim! Kelvin versão pós-moderna.

      Excluir
    3. Também lembrei de Kelvin. No entanto, prefiro não responder mais a esse tipo de comentário. É um tanto cansativo.

      Excluir
    4. Quem foi Kelvin? Só quis ajudar.

      Excluir
    5. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-11172007000400001

      http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-11172007000400006

      Excluir
    6. Esse tipo de bobagem já prejudicou em muito o desenvolvimento de pesquisas em áreas como a matemática e ciências de modo geral durante o início do século XX no Brasil. Há um artigo com sobre um dos fundadores do Impa que sofreu esse mesmo problema.

      Excluir
  50. Concordo plenamente com suas opiniões sobre o Ensino Universitário, no qual pelejei por mais de 20 anos dando muito murro em ponta de faca. Convido-o a visitar meu site e meus blogs nele linkados, especialmente as respostas que dou em Ask.fm/wolfedler

    ResponderExcluir
  51. Professor,

    Pensando na matemática como uma ferramenta para pesquisadores de outras áreas, no meu caso engenharia, gostaria de lhe perguntar se dinâmica temporal pode ser representada por meios outros que não equações diferenciais ou a diferenças ?
    Pergunto pois nos livros de engenharia que li, não encontrei menção alguma a qualquer outra possibilidade de relacionar temporalmente variáveis que não por essas duas vias para tempos contínuos e discretos.
    Há alguma outra teoria matemática dedicada a dinâmica?

    Desde já, obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucas

      Dinâmicas são, intuitivamente falando, tratadas por meio de taxas de variação. E taxas de variação são matematicamente traduzidas por meio de derivadas ou razões entre diferenças. Logo, cálculo diferencial e integral (bem como suas variantes) e equações de diferenças finitas (bem como suas variações) são as opções naturais para tratar do estudo de dinâmica. Desconheço qualquer outra opção.

      Excluir
  52. Adonai gostaria que visitasse o meu blog. https://sagaz.wordpress.com/2009/04/17/o-homem-dos-mil-livros/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ótima iniciativa o seu blog. Há vários temas abordados de maneira que julgo questionável. Mas, pelo menos, você e seus colegas estão colocando bastante gente para discutir. Isso é bom.

      Excluir
  53. Adonai, eu acho que você escreve tão bem, que ultimamente prefiro ler seus textos do que poesia. E também que escrevo tão mal que prefiro nem escrever. O senhor tem alguma dica ou é apenas talento natural.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço pelo gentil comentário. Minhas sugestões são as seguintes:

      1) Ler muito, especialmente textos originais. Ou seja, evite traduções. Já que você cita poesia, aqui vai uma: The Raven, de Edgar Allan Poe. A tradução que Machado de Assis fez para esta insuperável obra prima é simplesmente um desastre. Machado de Assis não demonstrou auto-crítica nesta ousada empreitada.

      2) Escrever muito e submeter seus textos para pessoas honestamente críticas. Aprendi até mesmo com Mario Marona, ex-editor chefe do Jornal Nacional, da Rede Globo. Muitos anos atrás troquei uma série de e-mails com ele. Marona ficou tão irritado que até corrigiu meu português. Para mim não faz diferença se gosto ou não de quem me ensina. O que faz diferença é o que aprendo.

      3) Reavaliar tudo o que se escreve. Cada postagem que escrevi para este blog foi lida diversas vezes por mim mesmo, antes da publicação. Como dizia Patrick Suppes, "Jamais termino um artigo ou livro, apenas o abandono." Não existe texto meu (seja artigo, nota, postagem ou livro) que eu considere acima da crítica, seja por conta de conteúdo ou linguagem. Mas sempre procuro lapidar os textos da melhor maneira possível, até o momento em que eu canse deles. Poe atingiu a perfeição. Eu mesmo não sou capaz disso. Mas faço o que está ao meu alcance.

      Excluir
  54. Fica, fica, fica....


    O órfão.

    ResponderExcluir
  55. Veja essa magnífica iniciativa: https://www.facebook.com/mapaeducacao/

    ResponderExcluir
  56. Marcelo Marchiolli27 de outubro de 2016 10:25

    Caro Adonai, acho oportuno o momento de discutirmos a reforma do ensino médio ensejada pelo governo federal e a política de contenção de gastos dado pela PEC. É claro que tal finalidade demandaria várias postagens as quais tomariam um enorme tempo. Mas, navegar é preciso ... Como físico e crítico contumaz da SBF, percebo que perdemos um enorme espaço ao longo do tempo no ensino de física voltado ao ensino médio. Com a atual e pretendida reforma do ensino médio, nossos colegas darão aulas por demanda, ou seja, para aqueles poucos interessados no ensino de ciencias naturais. E, mais uma vez, sem completo respaldo financeiro e da sociedade como um todo. Neste caos que nos encontramos, não vislumbro nenhuma ilha de estabilidade a qual podemos nos agarrar. Estou eu sendo pessimista demais? Gostaria de sua sincera opinião sobre o tema.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelo

      A ideia central desta nova metodologia de ensino é ótima. Mas é ótima apenas para um povo civilizado. Como este não é o caso do Brasil, vejo apenas catástrofe adiante. Se são poucos os interessados em ciência, isso se deve à cultura primitiva de nosso povo.

      No entanto, não pretendo colocar em discussão, neste blog, os assuntos sugeridos. Isso porque estou envolvido, dia e noite, em outras atividades. Lamento.

      Excluir
  57. Adona,o que você está fazendo? Sumiu do Facebook e do blog. Preciso que poste coisas, estou sem nada para fazer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou desenvolvendo novos projetos. Não é fácil vencer a inércia, quando estudamos assuntos realmente novos.

      Excluir
  58. O que exatamente é esse novo projeto, qual o objetivo a ser alcançado com ele?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No momento prefiro não apresentar detalhes sobre o projeto. Espero obter os primeiros resultados relevantes nos próximos cinco anos.

      Excluir
  59. Adonai peço que grave suas aulas e coloque no YouTube pra assistirmos. Sou de MG e não tem como assistir presencialmente as aulas suas. Os professores da minha faculdade são muito ruins. Newton da Costa deve ser orgulhos de telo como discípulo o senhor continua o trabalho dele com garra. Espero que seus alunos se espelhem no senhor e continuem essa longa e difícil jornada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo

      Agradeço pelo apoio, mas não poderei atender ao seu pedido, por enquanto. Pretendo, em algum momento futuro, criar vídeos educativos.

      Excluir

Respostas a comentários dirigidos ao Administrador demoram usualmente até três dias.