sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Newton é brasileiro. E daí?


Existem aqueles que se integram ao ambiente se entregando a ele. E existem indivíduos que parecem ter uma aura cujo alcance e magnitude são fortes o bastante para transformar o ambiente em que vivem. O Professor Newton da Costa se enquadra na segunda categoria.

Se o Curriculum Vitae do Professor Newton (como é conhecido por discípulos e colegas) impressiona por sua vasta e expressiva experiência acadêmica, por outro lado ele reflete o espírito de um sobrevivente da selva brasileira, que conseguiu produzir alguns oásis de saber em nosso país.

A realidade das universidades brasileiras é assustadora. As universidades federais, por exemplo, não contam com políticas científicas sérias e não têm autonomia para contratação ou demissão de professores. Mesmo nos raros momentos em que minguadas vagas são ofertadas pelo Governo Federal para fins de realização de concursos públicos, todos os docentes são tratados como iguais. Não há a possibilidade de negociar salários ou benefícios que possam servir de incentivo aos mais competentes. E aqueles que cumprem apenas o mínimo necessário, recebem o mesmo tratamento e salário que seus colegas mais produtivos. O plano de carreira das universidades federais está longe de ser suficiente como forma de estímulo. Afinal, um professor que ganha trinta, quarenta ou cinqüenta por cento a mais do que seu colega, por conta de titulação ou outras manobras de relevância questionável, pode estar realizando um trabalho acadêmico incomensuravelmente superior em termos de qualidade e relevância (a qual se avalia inicialmente por repercussão).

O tratamento igualitário, comunismo intelectual que é (a bandeira da isonomia salarial erguida por sindicalistas), cria um ambiente com uma inércia pouco estimulante. Um espírito verdadeiramente empreendedor como o do Professor Newton certamente deve sentir, mesmo que inconscientemente, os efeitos dessa inércia que se refletem não apenas em superficiais indicativos salariais, mas até mesmo nas políticas institucionais.

As universidades privadas, em geral, evitam a contratação de professores seriamente comprometidos com pesquisa, pois isso pode assustar seus alunos. Professores de instituições privadas de ensino superior, salvo raríssimas exceções, não podem exigir demais de seus pupilos. Alunos academicamente pressionados são futuros inadimplentes em potencial, o que implica em um risco inaceitável a qualquer empresário brasileiro na área de educação. Além disso, professores doutores custam mais caro para as instituições privadas, as quais comumente contam com ilusórios planos de carreiras. Interessam prioritariamente os profissionais menos qualificados, principalmente no que tange à prática da pesquisa científica. É claro que há exceções, como a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, na qual há uma massa crítica tolerável de seriedade acadêmica. Mas exceções, por aqui, não são suficientes para se tornarem regra em nosso imenso território nacional. Este problema, aliás, não é algo inerente à iniciativa privada, como muitos tentam ingenuamente argumentar. Isso porque nos Estados Unidos as melhores universidades são privadas. Nossa mediocridade escolar e acadêmica demonstra ter raízes sociais e culturais muito mais profundas do que questões econômicas.

Entre as universidades estaduais, as mais toleráveis são as paulistas. Elas conseguem, dentro de certos limites políticos e orçamentários, oferecer um suporte a pesquisadores. Mas não chega a ser um apoio de caráter competitivo e de valorização profissional como o que acontece nas melhores universidades norte-americanas, aquelas que são responsáveis pela maior e mais relevante massa de contribuição científica do mundo.

Diante desse quadro, talvez não seja tão surpreendente o fato de não haver um único ganhador do Prêmio Nobel lecionando em qualquer universidade brasileira.

Mesmo assim, o Professor Newton conseguiu se manter incólume no Brasil, realizando pesquisa de ponta em lógica-matemática e áreas correlatas e ainda formando profissionais e pesquisadores que conseguem pouco a pouco alcançar respeitabilidade no cenário acadêmico global. E a pergunta natural que me aflige há muito tempo é a seguinte: Como ele conseguiu fazer isso?

A resposta, após muita reflexão, me parece agora sensata, válida e até óbvia: estratégia.

Sob o enfoque pessoal, o Professor Newton tem uma força individual absolutamente incorruptível diante das inúmeras forças de soma não nula que servem de desestímulo a qualquer pessoa que se proponha a transformar de maneira positiva o ambiente em que vive. Sob outro prisma, ele simplesmente não dedicou toda a sua carreira a uma só instituição de ensino superior.

Foi professor, pesquisador ou conferencista em diversas instituições brasileiras federais, estaduais e privadas, bem como de instituições públicas e privadas de países da América do Sul, América do Norte, Europa e Oceania. A minha tese é a de que essa diversidade institucional e cultural sempre viabilizou uma permanente revitalização profissional e até pessoal do Professor Newton. Onde quer que ele estivesse, seu trabalho e carisma imediatamente despertavam a atenção de jovens estudantes ou experientes pesquisadores. E algumas dessas pessoas acabaram se tornando colaboradores ou discípulos. Diversidade sempre foi um ingrediente fundamental em processos evolutivos.

A atuação do Professor Newton em nosso país sempre foi estimulante àqueles que o conheceram de perto. Freqüentemente eu me sentia desanimado, trabalhando no Paraná. Ao viajar para São Paulo, principalmente nos anos 1990, retornava ao lar e à minha universidade com ânimo o bastante para manter meu trabalho de ensino e pesquisa por longos períodos de tempo. E nunca ouvi dele frases do tipo “Anime-se!” ou “Continue, que vale a pena!”. Isso simplesmente não faz sentido, pois viola sua natureza, além de não ser o suficiente para convencer alguém que tenha um mínimo de inteligência. O que me animava nos contatos pessoais com esta extraordinária figura era o exemplo de paixão, garra e apurado senso crítico investidos na prática da ciência. Nada opera de maneira mais significativa para fins de aprendizado do que exemplos. Não há discurso que supere ou conteste a prática. Isso porque discursos podem ser verdadeiros ou falsos. E sempre devemos lembrar que o conceito de verdade é muito flexível, conforme a filosofia da ciência nos tem ensinado. Quanto à prática, esta se resume a fatos. Não há como contestar fatos (apesar de alguns ainda tentarem).

É claro que a capacidade individual do Professor Newton para vencer obstáculos deve tê-lo ajudado bastante. Mas não acredito que tenha sido o único fator. A melhor das sementes não consegue crescer em terreno de pouca fertilidade, como ele sempre insistiu em conversas pessoais e palestras. Para melhorar as chances de crescimento, o solo deve ser renovado. E foi isso o que o Professor Newton fez. Não sei se foi intencional. O fato é que funcionou bem, apesar de ele ter priorizado o Brasil em suas peregrinações pelo mundo.

Em conversas pessoais, o Professor Newton sempre deixou claro que instituições como a Universidade de São Paulo e a Universidade Estadual de Campinas o receberam e o trataram muito bem. Portanto, tudo o que escrevo aqui se refere apenas às minhas impressões pessoais. De forma alguma deve o leitor entender que meu texto reflete qualquer opinião pessoal do Professor Newton. Mas o fato é que tenho certa experiência acadêmica. E inevitavelmente acabo pensando na questão: Como ele conseguiu e como ainda consegue, mesmo depois dos oitenta anos de idade?

Entendo que uma universidade como a de São Paulo tem uma estrutura muito melhor do que qualquer outra instituição de ensino superior do Brasil. Mas garanto que não faz sentido a promoção de qualquer comparação entre ela e universidades como Stanford, Yale, Harvard, Sorbonne. Se o leitor duvidar, convido-o a passar uma temporada olhando de perto como funcionam as grandes universidades norte-americanas, européias e asiáticas.

Para mim parece muito deprimente a idéia de se aposentar em uma universidade brasileira. Isso porque, após a festa de despedida do aposentado, todos imediatamente o esquecem. Os problemas do dia-a-dia na universidade se sobrepõem a qualquer noção de continuidade de uma obra. Uma universidade como a Estadual de Campinas criou o Museu Newton da Costa. É uma forma de recordar e homenagear, ainda que seja uma iniciativa de pouca dinâmica para conseqüências relevantes no futuro. A Universidade Federal do Paraná (citando outro exemplo) concedeu o título de Doutor Honoris Causa. É outra forma de reconhecimento e lembrança.

Mas, no caso do título concedido pela Universidade Federal do Paraná, na qual trabalho há quase duas décadas, vale lembrar que não existe a cadeira Newton da Costa. Não existe qualquer senso de continuidade à obra iniciada por esta importante figura do cenário científico internacional. E ainda assim a UFPR se vangloria de ser a mais antiga universidade do país, como se isso tivesse alguma relevância à população acadêmica brasileira.

Quando um professor pede exoneração, se aposenta ou falece, apenas sua vaga fica disponível. É uma vaga, não uma cadeira ou cátedra. Novos concursos realizados acabam simplesmente preenchendo vagas. Não há cátedras, não há continuação, não há tradição acadêmica. É claro que isso não é culpa da universidade, que não tem autonomia administrativa para fazer ou até propor algo diferente, apesar de o Governo Federal afirmar documentalmente que tem. Mas o fato é que esse tipo de postura acaba fomentando um ambiente de esquecimento, voluntário ou não. Não é uma cerimônia assistida por poucos e ignorada pela maioria que vai resgatar de maneira significativa a memória do Professor Newton e de suas contribuições, bem como de qualquer outro pesquisador ou cientista.

Reconheço que muitos nas universidades fazem o melhor que podem, às vezes indo muito além. Não estou criticando pessoas ou instituições específicas nos últimos parágrafos. Estou criticando a existência de uma intrincada rede no seio social brasileiro que dificulta a transformação do ambiente acadêmico em um lugar que realize pesquisa de ponta e educação de qualidade. Talvez essa rede exista por pura ignorância. É possível que nossos dirigentes simplesmente não tenham a menor idéia de como administrar o ensino superior brasileiro e sua inseparável pesquisa científica. E para o povo é possível que baste um carro na garagem e uma casa na praia, ou carnaval e futebol, para que se alcance a felicidade individual ou qualquer noção arbitrária de justiça social.

O Professor Newton poderia ter encontrado um ambiente muito mais propício à pesquisa em uma boa universidade norte-americana ou européia. Ele preferiu ficar no Brasil. Um dos resultados disso foi a formação de graduados, mestres e doutores que também lutam para fazer a diferença em nosso país ou mesmo no exterior. São vários os ex-alunos do Professor Newton que se destacaram e se destacam pela qualidade de suas pesquisas e pelo exemplo de suas aulas.

O espírito renovador do Professor Newton não se mostra apenas diante do fato de ele ter trabalhado em muitas instituições de significativo porte acadêmico. Percebe-se isso também em suas obras publicadas, que concatenam de maneira surpreendentemente harmoniosa disciplinas como lógica, matemática, física, economia, filosofia.

Ele é conhecido mundialmente como o criador das lógicas paraconsistentes, que uma importante rede de televisão brasileira chegou a chamar de lógica paraconsciente, evidenciando mais uma vez o insistente descaso com ciência e cultura. Apesar de sua pesquisa ter motivações puramente matemáticas, a lógica paraconsistente rendeu inúmeras aplicações em engenharia de produção, engenharia aeronáutica, robótica, inteligência artificial e até medicina.

Ele também resolveu, em parceria com o Professor Francisco Doria, diversos problemas relativos aos fundamentos da física. Esses trabalhos mereceram citações na revista inglesa Nature e no livro Mathematics: Frontiers and Perspectives, editado pelo grande matemático russo Vladimir Arnol'd, em parceria com colaboradores, e publicado em 2000 pela Sociedade Americana de Matemática, uma das mais influentes instituições da área. Este livro, de leitura obrigatória para qualquer um que se julgue interessado por matemática, aponta para as tendências desta ciência no século 21. Em outras palavras, a pesquisa do Professor Newton demonstra ter impacto de extrema significância científica aqui e no exterior, mesmo sob perspectivas futuristas feitas por grandes nomes da matemática mundial.

Tendo isso tudo em vista, é de causar grande estranheza que o Professor Newton não seja membro da Academia Brasileira de Ciências. Se essas conquistas não o qualificam, eu gostaria de saber o quê o qualificaria?

No campo da filosofia o Professor Newton também demonstra relevância, uma vez que é membro da Academia Internacional de Filosofia da Ciência, em Bruxelas, Bélgica, e é o único brasileiro membro do Instituto Internacional de Filosofia, sediado em Paris, França. O fato de ele ter sido eleito membro deste último por unanimidade não foi por acaso. Sua prática de filosofar é no sentido de ter e desenvolver uma linha própria de pensamento na qual ele qualifica com grande rigor e originalidade o que é o conhecimento científico. A filosofia do Professor Newton, se contrapondo às idéias de autores como Karl Popper, se apóia em grande parte no conceito de quase-verdade. Esta é uma generalização de idéias anteriormente propostas pelo grande lógico polonês Alfred Tarski, que ele teve a oportunidade e honra de conhecer pessoalmente.

Mas não podemos ignorar o fato de que o Professor Newton é também membro titular da Academia Brasileira de Filosofia. Ou seja, apesar de os filósofos brasileiros terem linhas de pesquisa radicalmente diferentes, eles não se recusaram a reconhecer o impacto filosófico da obra deste renomado pesquisador. Certamente este exemplo deveria ser seguido pela Academia Brasileira de Ciências. Ciência e filosofia não são atividades intelectuais incompatíveis. Ao contrário, uma complementa a outra. E se a percepção do mérito em si não é viável aos intelectualmente menos capazes, que pelo menos as citações na relevante literatura especializada sirvam de norte para uma decisão mais do que justa.

É possível que exista correlação entre essa falta de reconhecimento nosso à obra do Professor Newton e o fato de o Brasil ter um dos piores desempenhos escolares de ciência e matemática no mundo, pelo menos do ponto de vista de avaliações internacionais. Há algo profundamente errado em nossa educação científica e matemática, em todos os níveis escolares.

Nossas universidades não estão conseguindo produzir docentes que cumpram com propriedade seus papéis. Essas mesmas universidades também não conseguem produzir pesquisadores que conquistem prêmios como o Nobel ou a Medalha Fields. E foi neste difícil e contraditório ambiente que um indivíduo como o Professor Newton conseguiu se integrar sem se entregar. E ele não apenas se integrou, como integrou jovens também.

Preparar jovens para o mundo significa prepará-los para surpresas. O mundo é repleto de surpresas a cada instante. E não há livros ou apostilas que consigam preparar alguém para o imprevisível. Somente o constante exercício do tirocínio crítico sobre o que se produz e sobre o que se pretende produzir é que pode trazer luz a um futuro incerto. Caso contrário, a luz do fim do túnel pode se transformar em uma locomotiva em nossa direção. E o senso crítico é o que o Professor Newton mais exige de seus discípulos e colaboradores.

Não conheço discípulo do Professor Newton que não tenha sido duramente criticado por ele, ainda que apenas no âmbito intelectual. E mesmo este texto teve que ser escrito sob minha inteira responsabilidade. Pois estou ciente de que o Professor Newton é muito mais cuidadoso com suas palavras do que eu. Mas o fato é que não estou disposto a esperar a velhice chegar para desabafar o que acho que é certo ou justo.

O justo, o certo, é o trabalho intelectual pesado, exemplo diário tão bem dado pelo Professor Newton. O justo é a prática do senso crítico, a capacidade de perceber que não há autor que não cometa erros, que não há professor que não se engane e cujos erros não sejam até grosseiros. Afinal, até mesmo a Academia de Ciências de nossa nação está sujeita a erros.

Lembro de certa vez em que um rapaz quis argumentar com o Professor Newton: “Mas foi o senhor quem disse isso!” Ele imediatamente respondeu ao rapaz que este deveria pensar por si só e não depender das palavras de outros. O Professor Newton nunca esteve interessado em provar se ele está certo ou errado. O que ele sempre exigiu de seus alunos é argumentação, qualificação de discurso, tirocínio crítico, honestidade intelectual, trabalho duro, dedicação, paixão pelo que faz, garra.

No Brasil estamos acostumados a viver em uma espécie de paraíso tropical no qual se acredita haver boas universidades, boas escolas, bons professores, bons pesquisadores. Mas a esta crença eu remeto uma frase que inicia algumas conferências do Professor Newton: “Vim jogar a serpente no paraíso de vocês”.

O Professor Newton é uma espécie de serpente que vive no paraíso tropical brasileiro. Por sorte, não está sozinho. Mas eu gostaria de ver o dia em que se forme uma massa crítica de sedentos por ideais que nos conduzam à nação do futuro que há décadas vem sendo anunciada e até hoje está longe de ser cumprida.

Não são nossas palmeiras e sabiás que construirão um Brasil próspero, mais justo, mais seguro, mais saudável, melhor educado. O Brasil próspero e justo depende de educação feita por profissionais altamente qualificados. E um bom profissional não é aquele que conhece centenas de livros e artigos e apenas repete o que outros disseram. Um bom profissional é aquele que exerce o direito de questionar aquilo que se crê já estabelecido, é aquele que provoca, que instiga. Mas para que isso seja feito com propriedade, uma formação de real qualidade é fundamental. E enquanto não surgirem programas sérios de valorização aos profissionais de ensino realmente qualificados, seremos eternamente todos iguais entre nós e invisíveis perante o resto do mundo.
____________

Para ler uma contribuição de Newton da Costa neste blog clique aqui.

21 comentários:

  1. Uma vez convidei minha mãe para ver comigo uma palestra do professor Newton da Costa na USP. Mesmo não podendo compreender os aspectos técnicos da palestra, ela gostou muito. Ficou impressionada com o amor que o palestrante revelou pela ciência e com sua seriedade como profissional. Depois comentou comigo que teve vontade de dizer para ele: "que bom que existem pessoas como o senhor".
    Acabou não falando, mas deixo aqui registrado esse seu pensamento (que também é o meu).

    André

    ResponderExcluir
  2. De fato, não há valorização ou incentivo à pesquisa no Brasil. É também fato conhecido que nos Estados Unidos a situação é oposta. Mas gostaria de fazer uma observação sobre a situação da pesquisa e do ensino de matemática na Rússia. O nível dos livros de matemática escritos por eles (que é a única referência que tenho) está muito distante dos usados no Brasil ou nos Estados Unidos. Uma característica interessante é que os livros russos não tentam separar a matemática em áreas distintas, mas integrar o conhecimento o máximo possível. Para exemplificar meu ponto, indico os livros de I.R.Shafarevich, que é um grande matemático. Me pergunto como funciona o sistema universitário na Russia. A exemplo deles, o Brasil não pode usar sua situação econômica como desculpa. Então, qual é o segredo do desenvolvimento científico na Rússia?

    ResponderExcluir
  3. Rússia não é exemplo único de excelência científica, apesar de dificuldades econômicas do país. A Polônia também tem uma história muito conhecida e inspiradora, de significativo avanço matemático no século passado, principalmente em topologia e lógica. Sob a perspectiva de um leigo em aspectos sociológicos de desenvolvimento científico, parece-me que a diferença entre as realidades russa e polonesa em relação à brasileira é cultural. Além disso, pesa o fato de que russos e poloneses fazem uso de estratégias sociais muito eficazes para desenvolvimento da ciência. Do ponto de vista cultural, vale observar que o brasileiro tem uma tendência a se desvalorizar muito diante de outros povos. Nos momentos em que fui trabalhar nos Estados Unidos, sempre me perguntavam onde eu estudaria lá. Quando eu dizia que colaborava com pesquisadores de universidades americanas, ficavam me encarando como se eu estivesse falando algum absurdo ou brincadeira. Em outra ocasião, ministrando palestra para alunos de quarta série do primário em Curitiba, perguntei à criançada se sabiam nomes de cientistas brasileiros famosos, uma vez que eles conheciam artistas e atletas de nossa nação. O fato de eles não conhecerem não foi surpresa para mim. O que me surpreendeu foi a conclusão deles: não sabem porque não existem cientistas brasileiros! Ou seja, conhecem Pelé e Xuxa, mas nunca ouviram falar de Cesar Lattes, Newton da Costa, Carlos Chagas, Jacob Palis, Maurício Peixoto, entre tantos outros. Nossa cultura precisa se desenvolver em outras áreas além de esportes e artes.

    ResponderExcluir
  4. Prezado Professor,

    Seria o IMPA uma tentativa de alavancar a matemática superior brasileira? Qual o papel dessa renomada instituição na matemática brasileira?
    Saudações

    ResponderExcluir
  5. Todo professor deveria dizer isso aos seus alunos... "Ele imediatamente respondeu ao rapaz que este deveria pensar por si só e não depender das palavras de outros. "

    ResponderExcluir
  6. Olá, prof Adonai!

    E Daí? Daí, que desconfio que Deus seja brasileiro, mas, o nosso Newton é melhor do que... o Newton dos outros!

    Valeu muito, o... "vim jogar a serpente no paraíso de vocês!"... genial!!!!

    Um abraço!!!!!

    Um abraço!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  8. Pela primeira vez removi um comentário deste blog. Explico. Não serão tolerados textos que façam uso de vocabulário chulo.

    ResponderExcluir
  9. NEWTON É BRASILEIRO E O LIVRO QUE MERECIDAMENTE FIZERAM DELE TEM UMA ÓTIMA APRESENTAÇÃO DO PADILHA E ORGANIZAÇÃO DO ADONAI!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo

      Minha parte foi muito simples. Basicamente fiz correções nas transcrições de entrevistas concedidas para rádio e televisão. Mas quanto à apresentação do Padilha, realmente é inspiradíssima. E pensar que aquilo se deve à avó dele.

      Excluir
  10. Olá, prof. Adonai. O canal de televisão SBT está fazendo uma votação para eleger "O MAIOR BRASILEIRO DE TODOS OS TEMPOS" (http://www.sbt.com.br/omaiorbrasileiro/). Gostaria de saber quem o sr. acha que merecia este título.

    Para mim, é muito difícil apontar um nome...

    (coloquei este comentário aqui pois me parece, pelo o que já foi dito sobre ele neste blog, que Newton da Costa é um dos grandes que este país já teve - não sei se é o maior).

    AAnooniimoo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. puxa... seria bacana .. uma baita homenagem ao que o professor Newton fez pelo ensino no nosso país... vou indicar!

      Excluir
  11. AAnooniimoo

    Para eleger o maior brasileiro de todos os tempos seria necessário conhecer detalhadamente a obra de cada brasileiro (algo que certamente não conheço) e ainda estabelecer critérios sensatos de seleção. Mas se eu for obrigado a dizer neste momento quem eu elegeria, prefiro adotar o critério de José Padilha: Newton da Costa. Foi o mais importante lógico da história de nosso país e, além disso, lógica é um dos alicerces da ciência moderna. A obra de da Costa é perene.

    ResponderExcluir
  12. Adonai... sei que isso é bem pouco, diante da magistral obra do professor Newton... porém pergunto: o que precisa ser feito para que haja a Cadeira Newton da Costa? "Mas, no caso do título concedido pela Universidade Federal do Paraná, na qual trabalho há quase duas décadas, vale lembrar que não existe a cadeira Newton da Costa." Um abaixo-assinado? uma indicação? o quê?

    ResponderExcluir
  13. Susan

    Sua proposta está longe de ser pequena. Uma cadeira é um símbolo de continuidade, imortalidade da obra. No entanto, há décadas foram extintas as cátedras nas universidades federais. Isso significa que sua proposta é inviável, do ponto de vista administrativo. Nossas universidades públicas foram intencionalmente planejadas para serem medíocres.

    ResponderExcluir
  14. O Newton lê as postagens do seu blog ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Professor Newton da Costa já leu diversas postagens deste blog. Até colaborou com um texto aqui:

      http://adonaisantanna.blogspot.com.br/2012/06/o-pesquisador-cientifico-e-sua-carreira.html

      Excluir
  15. Prof, sou recém chegada no seu blog. Foi um achado incrivel, sou da filosofia e a história do Newton me inspira muito. Mas a universidade "mata" os alunos que querem sair da caixinha. Você tem algum conselho para eu me manter firme nisso? É dificil me sinto realmente um estranho no meio de pessoas que acham que é muito bom fazer trabalhos irrelevantes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amanda

      Sua pergunta é um pesadelo para responder, ainda mais por escrito. Conversei diversas vezes com o professor Newton sobre esta questão. A resposta que ele sempre deu é a seguinte: "Nunca dei muita bola para o meu contorno." Espero que não entenda mal essa frase. Newton da Costa criou uma escola de lógica em nossas terras. Isso prova que ele sempre esteve preocupado com o seu contorno, formando muitos discípulos. No entanto, gente como ele percebe claramente o lodaçal em que vivemos, especialmente em nossas iludidas e mentirosas universidades. E me parece que ele nunca deu muita atenção para a tolice alheia. Pessoas como Lula, por exemplo, o divertem. Ele consegue rir dessa gente. Eu, por exemplo, não sou assim. Não tenho um senso de humor tão refinado. E isso tudo cansa. Cansa muito.

      A única sugestão que posso dar é que você procure os seus semelhantes. Você deve se apoiar neles e permitir que eles se apoiem em você. Tente não dar muita atenção para o resto. Brasil ainda é uma terra de oportunidades para aqueles que querem trabalhar honestamente e de maneira original. Ainda existem programas de bolsas que permitem pelo menos estágios de pós-doutorado no exterior. A própria internet é um agente facilitador, permitindo que você tenha contato sistemático com praticamente qualquer pesquisador ou cientista do mundo. Use isso. Forme suas próprias redes sociais.

      Se você conseguirá vencer isso tudo ou não (a longo prazo), depende muito de seu caráter, de sua capacidade para enfrentar adversidades reais.

      E se você acha que pode aprender com os erros de outros, aqui vai um de meus: fiquei tempo demais na mesma instituição. Não faça isso! Procure revitalizar sua carreira, de tempos em tempos.

      Excluir
    2. Peço licença para me intrometer numa conversa que julgo pertinente. Gostaria de transpor um pedaço de uma das entrevistas do prof. Newton da Costa, para começo de conversa: ‘’Como vê o baixo nível do ensino e aprendizagem de matemática no Brasil?’’. No que ele responde:
      — É uma barbaridade. Convivi com o ensino secundário dos Estados Unidos, na escola pública de Berkeley. Lá existe o que eles chamam de honour courses, cursos de honra. Os alunos que querem fazer cursos técnicos, como mecânica de automóveis, têm um mínimo de aulas de inglês, história etc. Depois, se quiserem, podem completar os créditos com os outros cursos. Mas os honour courses só fazem aqueles que querem ir para a universidade. São turmas pequenas, de 10, 12 alunos, com professores em tempo integral. O ensino envolve cálculo diferencial, cálculo integral, computação, geometria analítica… A pessoa entra de livre e espontânea vontade e se compromete a não ter nota baixa. Se não acompanhar, sai. Depois que acaba o curso, bastam duas cartas de recomendação dos professores para entrar na universidade. Se o aluno for bom nesses cursos, já está na universidade. Por várias vezes sugeri fazer algo semelhante aqui, mas sempre me dizem que não é democrático, que é elitista…
      Gostaria de agradecer ao professor Adonai (e tantos outros também) por conta desse incentivo de se procurar apoio adentrando inclusive na Internet. Achei o seu blog graças a um amigo meu que falava de sua postagem acerca das ocupações. Fiquei entusiasmado com o conteúdo do blog, tanto é que vez ou outra tenho feito algumas perguntas a respeito de material didático. Esse incentivo e sensatez toda quase que definitivamente me lançaram para a vida acadêmica, creio que é isso mesmo que seguirei.
      A propósito, hoje (mais precisamente ontem na realidade) tive o prazer de conhecer e conversar com o prof. Newton. O homem irradia inspiração, me fez umas recomendações também. Eu agradeço pelo incentivo de pessoas como os senhores.

      Excluir
    3. arthur

      Fiquei feliz com o seu comentário. De fato, nosso povo fala muito e pensa pouco, incluindo a maioria de nossos professores universitários. A palavra "democracia" frequentemente é usada como tola desculpa para atrapalhar o crescimento intelectual de nossos jovens mais talentosos, tratando todos como iguais.

      Independentemente do caminho profissional que seguirá (acadêmico ou não), espero que consiga fazer de nosso país um lugar um pouco melhor no futuro. Precisamos muito de gente honesta e séria.

      Excluir

Respostas a comentários dirigidos ao Administrador demoram usualmente até três dias.